sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

O Hoje! ... e os dias que se seguirão

Após sete anos de uma doença crônica, dois anos sem poder trabalhar, mais dois anos de depressão, quase uma semana de uma dor de amor que está dilacerando o meu peito, dez quilos acima do meu peso ideal, sem dinheiro, eu me pergunto: onde foi parar a pessoa que eu era antes de todas essas coisas me acontecerem?

Nunca em toda minha vida eu senti-me tão fraca, tão perdida, tão constrangida, confusa, mas o pior, o pior mesmo de tudo, tão sem garra, sem forças, indisposta...

Coisas ruins, períodos difíceis acontecem eu sei....para todos nós, o tempo todo. E é assim que se aprende, caindo, levantando, tendo ideias para se livrar daquele ou deste problema.
Às vezes, uma noite de sono também pode ajudar, às vezes, familiares que nos ouvem e amam...

Ser religioso é importante, creio eu...não importa: católico, espírita, evangélico, seja onde for, contanto que Deus esteja lá para lhe ouvir e socorrer quando mais ninguém diz poder ou não querer, ou estar cansado de vc...ou quando vc mesmo está cansado, da sua depressão e do mundo lá fora.

Tenho procurado a pessoa que eu era, cheia de sonhos, planos, com muita, muita força e garra e vontade de vencer, mas, sinceramente....acho que ela se foi.....como? Eu não sei!
Triste, não é? Mas, desde pequena eu sempre senti uma pontinha de tristeza dentro de mim...eu cresci, ela cresceu....os problemas vieram, e ela tomou conta, de absolutamente tudo de bom que eu tinha para dizer, fazer ou dividir....e foi assim que aconteceu, ...

Eu nunca imaginei que a dor crônica poderia fazer tamanho estrago, se me contassem que ela era capaz de modificar a personalidade de uma pessoa, eu não iria acreditar. Deixei de ser doce, forte, criativa, guerreira.
Tornei-me fraca, amarga, quase obesa (o que não vai demorar) e ociosa...se me contassem, eu jamais iria acreditar!!!

Por isso, se alguém quiser me ajudar, eu peço: ME DEIXEM SOZINHA! SOLIDÃO é tudo que eu desejo agora....tudo mesmo....não quero ninguém me vendo assim!!!!

Com sinceridade, 


Flávia Lino

Um comentário:

Luciene Tenorio Nunes disse...

Oi Flávia,
Sei que pede para ficar envolta em sua solidão desejada. Mas rapidamente desejo a você, naturalmente, a cura definitiva para ONTEM.
Ter ganhado algum peso pela inércia que a dor causa é um sintoma quase inevitável. Passará, pois mencionou estar procurando quem costumava ser. Isto é um passo gigantesco, lento, mas importante.
Que as pessoas ao teu redor lhe deem o colo no momento que mais precisar, mesmo que você resista a isto!
Olha, não fui rápida... quem sabe pra próxima vez?
Beijinho.